Sabores da Índia - Home

História - Império Moghul

O Império Moghul foi, com outros rostos, a continuação da ocupação muçulmana da Índia.
Começado com Babur, em 1526, acabou com Bahadur Shah II , em1858. Mas, a partir de 1760, os soberanos Moghul de Imperador só tiveram o nome, tão controlado era o seu poder pelos novos ocupantes ingleses.
Na sua época áurea, pesem embora os esforços conciliadores de alguns dos Imperadores, o Império Moghul teve uma política geral de opressão e destruição da identidade do povo Hindu.

Abaixo fica a história resumida do Império Moghul, dividida nas quatro épocas que o marcaram.

1. Implantação    2. Consolidação e Expansão    3. Declínio    4. Agonia e Morte

1. Implantação

Tempo que começou com o fundador da dinastia, Imperador Babur, e foi até ao Imperador Humayun, brevemente interrompido pela Dinastia Suri. O Império Moghul dava os primeiros passos, ainda vacilantes, na sua saga pelo domínio da Índia. Deste período datam as primeiras jóias do tesouro Moghul.

Babur
(1526–1530)

n.

23 de Fevereiro de 1483

m.

26 de Dezembro de 1530

Zahir-ud-Din Muhammad Babur foi o fundador do Império Moghul, sendo descendente, pelo lado do pai, do conquistador túrquico Timur - Tamerlão - e, pelo lado da mãe, de Chagatai, segundo filho do Imperador Mongol Genghis Khan.
Acossado no seu ancestral domínio da Ásia Central, virou o seu apetite conquistador para a Índia. Partindo da sua base em Kabul, munido de artilharia - uma novidade para a época -, derrotou, em 1526, os exércitos do Sultão de Delhi, Ibrahim Lodi, na primeira batalha de Panipat - planície perto da cidade com o mesmo nome, hoje no estado de Haryana, que viria a ser palco de outras batalhas durante o Império Moghul. Em 1528, derrotou a confederação Rajpur de Mewar, no Punjab, chefiada por Rana Sanga Singh, e, em 1529, conquistou o leste do Uttar Pradesh e o Bhiar.
Quando morreu controlava todo o norte da Índia desde o Rio Indus, a oeste, a Bhiar, no leste, e desde os Himalaias, a norte, a Gwalior, a sul.

Humayun
(1530–1540)

n.

6 de Março de 1508

m.

20 de Janeiro de 1556


Cortesia Vivek Kambli

Humayun

Nasiruddin Muhammad Humayun, filho de Babur, sucedeu a seu pai em 1530.
Prosseguiu a luta contra inimigos do recém criado Império - Afegãos e Rajputs - batendo-os nas batalhas de Panipat - em Haryana -, em 1526, Khanua e Ghaghara - no Uttar Pradesh -, em 1527, e 1529, respectivamente. Para conter ameaças vindas do Gujarat, ocupou-o em 1535.
Seria deposto por Sher Shah Suri, um aventureiro que ganhara força no leste do Império, após ter sido por ele batido nas batalhas de Chausa, em 1539, e Kannauj- no Uttar Pradesh -, em 1540.

Sher Shah Suri
(1540–1545)

n.

1472

m.

Maio de 1545

Sher Shah Suri, também conhecido por Sher Khan Suri, depôs Humayun, fundando a efémera Dinastia Suri, em 1540.
O seu nome próprio era Farid, trocado por Sher - Tigre - por ter morto um tigre enquanto adolescente.
Morreu atingido por uma bala de canhão quando cercava a Fortaleza de Kalinjar, perto da cidade de Banda, no sul de Uttar Pradesh.

Islam Shah Suri
(1545–1554)

n.

cerca de 1500

m.

1554

Islam Shah Suri, filho de Islam Shah Suri, reinou, como segundo, e último, soberano da Dinastia Suri, até à sua morte.

Humayun
(1555–1556)

n.

6 de Março de 1508

m.

20 de Janeiro de 1556

Humayun, aproveitando disputas entre os descendentes de Islam Shah Suri, ocupou Lahore - hoje no Paquistão - em Fevereiro de 1555, bateu Sikandar Suri, um dos filhos de Islam Shah, e recuperou Delhi e Agra, em Julho do mesmo ano.
E para mais não teve tempo, porque viria morrer, no princípio do ano seguinte, num acidente caseiro.

1. Consolidação e Expansão

Época que se estende do reinado do Imperador Akbar ao do Imperador Aurangzeb. Foi um período de consolidação do poder, e continuado aumento do território ocupado. Neste período continuaram a chegar aos cofres imperias várias jóias do tesouro Moghul.

Akbar
(1556–1605)

n.

15 de Outubro de 1542, em Umarkot, província de Sind, hoje no Paquistão

m.

27 de Outubro de 1605

Abu-ul-Fath Jalal-ud-Din Muhammad Akbar foi o mais notável dos Imperadores Moghul, e talvez um dos maiores monarcas que o mundo viu.
Governou, ao mesmo tempo, com punho-de-renda e mão-de-ferro.
Por um lado, adoptou uma política conciliadora e promotora da cultura: casou-se com Mariam-uz-Zamani, uma princesa oriunda da confederação Rajput, do Mewar, Punjab, arqui-rival dos Moghul; promoveu discussões de índole religiosa - em que participava - entre Hindus, Parsis, Cristãos e Muçulmanos, e projectava a criação de uma religião única, que contivesse o melhor dos credos Hindu e Muçulmano - experiência inovadora que visava atenuar o confronto de religiões, mas que morreu com ele; memo sendo iletrado, fez da corte um centro de cultura, congregando estudiosos, poetas, pintores e músicos.
Por outro lado, era um guerreiro feroz, constantemente envolvido em campanhas militares, procurando consolidar, e alargar, o Império Moghul: travou, e ganhou, a batalha de Panipat - hoje no estado de Haryana -, em Novembro de 1566, e recuperou Mankot, Gwalior, e Jaunpur - no Uttar Pradesh; defrontou adversários valiosos como Rana Pratap, herói do Punjab; mandou construir fortalezas, como o magnífico Forte de Lahore.
Quando morreu, o Império Moghul estendia-se do Afeganistão à Baía de Bengala, e, para sul, até ao Gujarat e norte do Decão.

Jahangir
(1605–1627)

n.

31 de Agosto, em Fatipur Sikri

m.

28 de Outubro de 1627, a caminho de Lahore

Nooruddin Muhammad Jahangir sedento de poder, encabeçou, em 1599, uma rebelião contra Akbar, seu pai, quando ele conduzia uma campanha de guerra no Decão. Mesmo assim, Akbar viria, no seu leito de morte, a confirmá-lo como Imperador.
Reconhecidamente alcoólico, e consumidor de ópio, o seu reinado teve duas facetas distintas.
Uma que o mostra seguidor da tradição paterna de consolidação do Império: conseguiu apaziguar os Rajputs do Punjab com uma paz honrosa, em 1614, e completou com uma paz vitoriosa, em 1621, a campanha iniciada por seu pai contra Ahmadnagar - em Maharashtra -, onde os Marathas começavam a representar uma nova ameaça para o Império.
Outra, que se acentuou a partir de 1611, que o revela como manejável pela sua mulher persa, Mehr on-Nesa' ou Nur Jahan, mais a clique que a rodeava - o pai, I'timad-ud-Dawlah, o irmão, Asaf Khan, e o Príncipe Khurram, este filho de Jahangir. Os últimos anos de Jahangir, viriam a ser atribulados: desavenças entre Nur Jahan e o Príncipe Khurram, culminaram com uma revolta aberta do último, entre 1622 e 1625; outro rival da clique de Nur Jahan, Mahabat Khan, fez temporariamente refém o próprio Imperador, em 1626.
Foi, religiosamente, relativamente tolerante, permitindo, até, a confrontação pública de ideias entre teólogos muçulmanos e jesuítas.

Shah Jahan
(1627–1658)

n.

5 de Janeiro de 1592, em Lahore

m.

22 de Janeiro de 1666, em Agra

Shahaabuddin Muhammad Shah Jahan, terceiro filho de Jahangir e Manmati, princesa Rajput, ostentou inicialmente o título de Príncipe Khurram.
Casou, em 1612, com Arjumand Banu Baygam, sobrinha de Nur Jahan, outra mulher do pai, acedendo, assim, à clique que a rodeava, e influenciava o pai.
Desavenças com Nur Jahan, e sede de poder, viriam a ditar a sua rebelião, em 1622, situação que se prolongou até 1625, ano em que se reconciliou com o pai. Entretanto, viveu refugiado num dos palácios do Lago Pichola, perto de Udaipur, no Rajasthan.
Falecido Jahangir, com o apoio de Asaf Khan, irmão de Nur Jahan, Shah Jahan proclamou-se a si próprio Imperador, em Fevereiro de 1628, em Agra.
Continuou a consolidação do Império: as suas campanhas contra estados do Decão foram um sucesso; anexou Ahmadnagar - em Maharashtra -, em 1636; forçou Golconda - em Andhra Pradesh, e Bijapur - em Karnataka a reconhecerem o poder Moghul.
Temporariamente, expandiu o Império para noroeste: conquistou Qandahar - hoje no Afeganistão -, em 1638; submeteu Balkh - também no Afeganistão -, em 1646. Em 1647, Balkh foi reconquistada, e tentativas de Shah Jahan para a recuperar, em 1649, 1652, e 1653, foram infrutíferas. Os persas reconquistaram Qandahar em 1649.
Entretanto Shah Jahan mudou a capital do Inpério de Agra para Delhi, fundando aí a nova cidade de Shahjahanabad.
No seu tempo, a arte e a arquitectura Moghul atingiram o zénite. Mandou construir: em Agra, as grandiosas mesquitas Moti Masjid and Jami' Masjid, e o Taj Mahal; em Delhi, o palácio-fortaleza Forte Vermelho e a mesquita Jami' Masjid, uma das mais belas do mundo; em Lahore, os Jardins Shalimar.
A sua corte foi das mais esplendorosas da época, e a sua colecção de jóias era, provavelmente, a mais rica do mundo.
Tanta ostentação, e os esforços, afinal inúteis, para expandir o Império para noroeste, deixaram o Império à beira da falência, e foram a semente para a sua futura decadência.
Muçulmano mais ortodoxo que Akbar ou Jahangir, foi, todavia, relativamente tolerante para com a comunidade Hindu.
Adoeceu em Setembro de 1657, despoletando a luta pela sucessão entre os seus filhos Dara Shikoh - o preferido por Shah Jahan para lhe suceder -, Murad Bakhsh, Shah Shuja', e Aurangzeb. Aurangzeb emergiu do confronto vitorioso, proclamou-se Imperador em 1658, e enclausurou o pai no Forte de Agra até à sua morte.

Aurangzeb
(1658–1707)

n.

3 de Novembro de 1618, em Dhod, Malwa

m.

3 de Março de 1707


Cortesia Vivek Kambli

Aurangzeb

Mohiuddin Muhammad Aurangzeb Alamgir era o terceiro filho de Shah Jahan e Mumtaz Mahal, ambos sepultados no no Taj Mahal.
Contrariamente aos seus ascendentes recentes, era um muçulmano ortodoxo intolerante, cujo fanatismo foi, progressivamente, aumentando: reintroduziu, em 1679, o jizya, um imposto sobre os não-muçulmanos que Akbar tinha abolido; proibiu a saudação Hindu na corte; encorajou o saque, e destruição, de templos e altares Hindus, ou, pelo menos, não desencorajou essas práticas. Copiou, por duas vezes, com a sua própria caligrafia, o Corão - Qur'an.
Começou o reinado centrando atenções no noroeste do Império, ameaçado por Persas e Turcos da Ásia Central, embora tivesse que se haver com Sivaji, o chefe Maratha da época, que lançou um duplo ataque sobre o porto de Surat - no sueste do Gujarat -, em 1664 e 1670.
Depois, virou-se para o sul dos seus domínios: anexou definitivamente os reinos de Golconda - em Andhra Pradesh, e Bijapur - no Karnataka -, em 1686-1687; em 1689, capturou, e mandou executar, Sambhaji, filho do entretanto falecido Sivaji, desmembrando o seu reino; passou o resto da vida em cercos e perseguições - sempre inúteis - aos Maratha que, morto Sambhaji, optaram por uma guerra de guerrilha em todo o sul da Índia, com colaboração clara das populações locais.
Entretanto, teve que se haver com uma revolta Sikh, no Punjab, que resultou na prisão, e execução, em 1675, do então Guru, Tegh Bahadur. O Guru que lhe sucedeu continuaria a revolta até ao fim dos dias de Aurangzeb.
Deixou um Império mais vasto que nunca, indo tão longe para sul como Tanjore, ou Thanjavur, e Trichinopoly, ou Tiruchchirappalli - ambas cidades de Tamil Nadu.
Mas deixou também um Império exaurido pelas constantes campanhas militares, flagelado por revoltas Sikh, a norte, e Maratha, a sul, e com regiões entregues a Nawabs - vice-reis -, que iriam, naturalmente, ganhar poder.

3. Declínio

Fase que vai do reinado do Imperador Bahadur Shah I ao do Imperador Shah Jahan III. Época de declínio do Império, com perda constante de autoridade, e território, pelos sucessivos Imperadores.

Bahadur Shah I
(1707–1712)

n.

14 de Outubro de 1643, em Burhanpur, no sul de Madhya Pradesh

m.

27 de Fevereiro de 1712, em Lahore

Bahadur Shah I, segundo filho de Aurangzeb, tinha, enquanto ainda Príncipe Mu'azzam, sido, em 1663, mandado por seu pai para os territórios Moghul do Decão, para o representar. Comandou, em 1683-84, um exército que defrontou os Maratha em Goa, à altura ocupada pelos portugueses. Sem apoio destes, teve que optar por uma vergonhosa retirada, que lhe valeu uma 'travessia do deserto' até 1699, data em que o pai o nomeou governador de Kabul - no actual Afeganistão.
Morto o pai, desembaraçou-se dos irmãos e tornou-se imperador.
Viria a herdar o flagelo das revoltas Maratha e Sikh.
Foi o primeiro Imperador a ver declinar o poder central Moghul, muito graças ao poderio cada vez maior de Nawabs - vice-reis - de várias regiões.

Jahandar Shah
(1712–1713)

n.

1664

m.

Fevereiro de 1713

Jahandar Shah era um dos quatro filhos de Bahadur Shah I.
Numa demonstração da força que os Nawabs - vice-reis - tinham entretanto ganho, Zulfiqar Khan, Nawab do Decão conseguiu, com manobras palacianas, 'empurrar' Jahandar Shah - o mais manejável dos irmãos - para a sucessão, ficando ele como wazir - vizir, ministro das finanças - do Império. Pouco importou que tivesse sido outro dos filhos de Bahadur Shah I, 'Azim-ush-Shan, o principal conselheiro do pai.
A fraqueza de Jahandar Shah permitiu que Zulfiqar Khan tomasse as rédeas do Império, com poderes que excediam os de um vulgar Vizir.
Procurou aplacar o descontentamento Hindu abolindo o jizya de Aurangzeb, e optou por uma política de apaziguamento com os Maratha e os Rajput. Só sobre os Sikh continuou a perseguição.
Mas o Império estava à beira da falência: quando Farrukh-siyar, filho de 'Azim-ush-Shan, espoliado irmão do Imperador, desafiou este com um vasto exército, Jahandar Shah e Zulfiqar Khan tiveram que 'rapar' os seus próprios palácios, despindo até de ouro e prata as paredes, para poderem financiar um exército à altura.
No seu curto reinado, Jahandar Shah nada fez para travar a decadência da Dinastia Moghul.

Farrukh-siyar
(1713–1719)

n.

1683

m.

1719

Furrukh-siyar, filho de 'Azim-ush-Shan, irmão espoliado do Imperador Jahandar Shah, chega ao poder com o apoio de dois irmãos, Sayyid 'Abdullah Khan, e Sayyid Husayn 'Ali Khan Baraha, que, em troca, ficam com os postos de wazir - vizir, ministro das finanças - e mir bakhshi - tesoureiro - do Império.
Surgia, assim, mais um Imperador que o era, de nome, mas que não detinha qualquer poder efectivo.
Sob a batuta dos dois irmãos, foram prosseguidas as políticas do Vizir do anterior Imperador. A revolta Sikh foi, finalmente debelada. Foram feitas tentativas de apaziguamento com os Maratha, os Rajput, e os Jat - camponeses proprietários -, que se haviam rebelado já no tempo de Aurangzeb, mas nem tudo correu bem.
Os Jat começaram a pilhar viajantes na estrada entre Delhi e Agra - enquanto Furrukh-siyar ordenou uma expedição punitiva, os dois irmãos Sayyid enveredaram por uma solução pacífica, negociada nas costas do Imperador.
Cumulativamente, Furrukh-siyar enviou cartas a vários chefes Maratha, pedindo-lhes para se oporem ao governador do Decão que era, nada mais nada menos, amigo de Sayyid Husayn 'Ali Khan.
Os irmãos Sayyid acabam por convocar forças Maratha, e de Jodhpur - no Rajasthan -, para marcharem para Delhi para deporem o Imperador. Furrukh-siyar foi deposto, e assassinado. Resultado: um ressentimento enorme contra os Syyid, entre os nobres Moghul, especialmente os da velha guarda.
Entretanto, Furrukh-siyar havia garantido à Companhia das Índias Orientais o comércio isento de direitos alfandegários em Bengala.

Rafi'-ud-Darajat
(1719)

n.

??

m.

1719

Um dos príncipes que, durante seis meses de 1719, os irmão Syyid puseram no trono, na sequência da morte de Furrukh-siyar.Rafi'-ud-Darajat morre de definhamento causado, provavelmente, por tuberculose.

Shah Jahan II
(1719)

n.

??

m.

1719

De seu nome Rafi'-ud-Dawlah, o segundo dos príncipes arranjados pelos irmãos Syyid, morre de definhamento, também causado, provavelmente, por tuberculose.

Nikusiyar
(1719)

n.

??

m.

cerca de 1743

Nikusiyar Mohammed, filho do rebelde Muhammad Akbar, um filho de Aurangzeb, foi criado num harém, e usado como uma marioneta por Birbal, um ministro, que o proclamou Imperador. Totalmente inapto, foi destituido, e metido na prisão, pelos irmãos Syyid.

Muhammad Shah
(1719-1720)

n.

7 de Agosto de 1702, em Ghazna, no Afeganistão

m.

6 de Abril de 1748, em Delhi

Nasir-ud-din Muhammad Shah foi o terceiro dos príncipes que, em 1719, chegaram ao trono imperial pelas mãos dos irmãos Syyid.
Viu o seu reinado interrompido, ainda que brevemente, logo no ano seguinte.

Muhammad Ibrahim
(1720)

n.

??

m.

1746

Mohammed Ibrahim era um candidato ao trono Moghul que tentou tomar o poder, por influência dos irmãos Syyid, em Outubro de 1720. O intuito era depor o Imperador Muhammad Shah, que se tinha aliado a Nizam ul-Mulk Khan, um inimigo dos irmãos.
Mohammed Ibrahim, e o irmão Sayyid 'Abdullah Khan, em 13 de Novembro de 1720, foram batidos pelo Imperador na batalha de Hasanpur, perto de Delhi. Mohammed Ibrahim foi deposto no mesmo dia.

Muhammad Shah
(1720-1748)

n.

7 de Agosto de 1702, em Ghazna, no Afeganistão

m.

6 de Abril de 1748, em Delhi

Muhammad Shah recuperou o trono em 1720 depois de esmagar Sayyid 'Abdullah Khan, juntamente com o usurpador Muhammad Ibrahim, na batalha de Hasanpur, perto de Delhi.
Nesse ano, viu-se também livre do outro irmão Sayyid, Sayyid Husayn 'Ali Khan, que foi assassinado.
Em 1721, casou com a filha de Farrukh-Siyar.
Iria assistir ao esboroamento de muitas partes do Império: Sadat Khan proclama praticamente a independência da província de Oudh - no Uttar Pradesh; a tribo afegã Rohilla apodera-se de Rohilkhand, no noroeste de Uttar Pradesh; os Maratha, sob a liderança de Baji Rao, apoderam-se do Gujarat, e partes dos actuais Madhya Pradesh e Rajasthan e, em 1737, atacam Delhi; em 1739, Nader Shah, da Pérsia, aproveitando os poucos cuidados do Império com a fronteira noroeste, derrota as forças do Imperador em Karnal - em Haryana - e ocupa Delhi.
Como pequena compensação no fim do seu reinado, Muhammad Shah vence as forças afegãs, comandadas por Ahmad Shah Durrani, em Sirhind - no Punjab.

Ahmad Shah
(1748–54)

n.

24 de Dezembro de 1725, em Delhi

m.

1 de Janeiro de 1775

Ahmad Shah Bahadur Mujahid-ud-din Abu foi um Imperador pouco mais que inútil. Pouco dotado intelectualmente, e fraco, foi manejado por muitos, incluindo a sogra, Udham Bai, e o eunuco-chefe do seu harém, Javid Khan.
Pouco dotado para a guerra, deixou que, por duas vezes, os Afegãos, comandados por Ahmad Shah Durrani, invadissem o Punjab, levando-lhe terras e dinheiro.
Pior, um dissidente do Império, Ghazi ud-Din, aliou-se aos Maratha, chefiados por Malhar Rao Holkar, tendo as forças combinadas massacrado, em Maio de 1754, os exércitos Moghul, na batalha de Sikandarabad - perto de Agra, local que deve o nome a Sikandar, rei, entre 1489 e 1517, da Dinastia Lodi, a última a reinar no Sultanato de Delhi. Em duas horas, 15.000 efectivos do exército Moghul foram mortos, e 8.000 renderam-se. O Imperador fugiu para Agra.
No rescaldo da batalha, em Junho de 1754, Ghazi ud-Din proclamou-se wazir - vizir, ministro das finanças - do Império, prendeu o Imperador e obrigou-o a largar o poder. Ficaria preso até ao fim dos seus dias.

'Alamgir II
(1754–1759)

n.

5 de Junho de 1699, em Multan

m.

39 de Novembro de 1759, em Delhi

Aziz-ud-Din 'Alamgir II, filho de Jahandar Shah - Imperador entre 1712 e 1713 -, foi posto no poder por 'Imad ul-Mulk Ghazi-ud-Din, wazir - vizir, ministro das finanças - do Império, que havia deposto o anterior Imperador.
Em 1757, quando Ghazi-ud-Din procurou restabelecer o poder Moghul no Punjab. o lider afegão Ahmad Shah Durrani reajiu, ocupando Delhi. Confirmou 'Alamgir II como Imperador, mas fez dele a sua marioneta.
Perante nova ameaça afegã, em 1759, Ghazi-ud-Din, temendo que o Imperador pudesse ser usado para o prejudicar, mandou matá-lo.
Durante o curto reinado de 'Alamgir II, reafirmaram-se vários poderes locais dentro do Império: o Nizam de Hyderabad - hoje em Andhra Pradesh -, representante da Dinastia Nizam, fundada por Nizam-ul-Mulk em 1724, altura em que se tornou virtualmente independente do poder central; Nawab - vice-rei - de Oudh, hoje no Uttar Pradesh; Nawab de Bengala, Bhiar e Orissa; e os Marathas, a sul - sudoeste.

Shah Jahan III
(1759-1760)

n.

??

m.

década de 1770

Shah Jahan III
Também conhecido por Muhi-ul-millat, era filho de Muhi-us-Sunnat, o filho mais velho de Muhammad Kam Baksh, por sua vez filho mais novo de Aurangzeb.
Foi posto no trono em Dezembro de 1759, por Ghazi ud-Din Khan Feroze Jung III, mas logo deposto, em 1760, pelo Nawab - vice-rei - de Oudh, hoje no Uttar Pradesh, e pelos afegãos da tribo Rohilla, que reconheceram o Imperador que se iria seguir, Shah Alam II, como soberano de direito inteiro.

3. Agonia e Morte

Época que foi do Imperador Shah Alam II ao Imperador Bahadur Shah II, o último dos Imperadores Moghul. Tempo em que o poder dos Imperadores foi nominal, pertencendo o poder real aos ingleses, que os manejavam a seu belo prazer. Seriam os ingleses a acabar com a dinastia, ao deportarem o último Imperador.

Shah Alam II
(1760–1806)

n.

15 de Junho de 1728, em Delhi

m.

10 de Novembro de 1806, em Delhi

De seu nome 'Ali Gauhar, era filho de 'Alamgir II.
Tinha fugido de Delhi em 1758, onde o pai era praticamente mantido prisioneiro pelo seu wazir - vizir, ministro das finanças -, 'Imad ul-Mulk Ghazi-ud-Din, procurando refúgio junto Shuja'-ud-Dawlah, o Nawab - vice-rei - de Oudh, hoje no Uttar Pradesh.
Depois do assassinato do pai, em 1759, ainda com o apoio do Nawab de Oudh, proclamou-se a si próprio Imperador, em 1760. Para reunir fundos para atacar Delhi, pediu um tributo ao Nawab de Bengala, Bhiar e Orissa. Valeu-lhe isso o desagrado da Companhia das Índias Orientais, que era, desde o tempo de Furrukh-siyar, um parceiro importante naquela região. As forças da Companhia, comandadas pelo Major Hector Munro, derrotaram as do Imperador, em 22 de Outubro de 1760, na batalha de Buxar - no Bhiar.
Na sequência da refrega, o Imperador passou o controlo da área para mãos da Companhia das Índias Orientais, garantindo-lhe o direito de cobrar impostos, e ela, em troca, tornou o Imperador seu pensionista.
Instalado em Allahabad - cidade do sul de Uttar Pradesh -, o Imperador conseguiu, em 1771, um acordo com os Maratha para devolução de Delhi ao Império. Entre 1772 e 1782, o seu ministro Najaf Khan foi a face da autoridade imperial sobre um território compreendido entre os rios Sutlej e Chambal, o estado de Jaipur - hoje parte do Rajasthan - e o Rio Ganges.
Em 1788, Ghulam Qadir, chefe da tribo guerreira Rohilla, invadiu Delhi e, frustrado por não ter conseguido um saque valioso, mandou cegar o Imperador.
Shah Alam II viria a acabar os seus dias sob protecção de Sindhia, chefe Maratha da altura, e depois, dos ingleses, quando estes saíram vencedores da Segunda Guerra com os Maratha, entre 1803 e 1805. Confinado ao seu palácio, era tratado por Rei de Delhi pelos ingleses, que até cunharam moeda com a sua efígie.
Durante o seu reinado Hyder Ali proclamou-se Nawab - vicerei - de Mysore - hoje Karnataka; deu-se a terceira batalha de Panipat - em Haryana, em que os Maratha comandados por Bhao Sahib foram esmagados pelo afegão Ahmad Shah Durrani, sendo definitivamente afastados do seu desejo de sucederem aos Moghul no governo da Índia. Tudo acontecimentos que contribuíram para a anarquia na região, abrindo caminho para a supremacia dos ocupantes ingleses.

Akbar Shah II
(1806–1837)

n.

1760

m.

1837

Imperador de nome, mas completamente tutelado pelos ingleses, sob cuja protecção reinou.

Bahadur Shah (Zafar) II
(1837–1858)

n.

24 de Outubro de 1775, em Delhi

m.

7 de Novembro de 1862, em Rangoon, na Birmânia

Foi o último Imperador Moghul, filho de Akbar Shah II e Lal Bai. Mais um homem de cultura que político, foi continuamente tutelado pelos ingleses.
No ocaso da vida, viu Delhi ser ocupada por tropas Indianas rebeldes vindas de Meerut - no Uttar Pradesh -, integradas no Motim Indiano - 1857 e 1858. Apavorado, aos 82 anos, acedeu às exigências dos rebeldes, intitulando-se cabecilha da rebelião.
Dominada a revolta, os ingleses não lhe perdoaram, exilando-o, com a família, na Birmânia, hoje Myanmar.

 
 

Cortesia Sumit Bhagra

 Sabores da Índia - Home